segunda-feira, 27 de março de 2017

Sobradinho vence Gama e mantém esperanças

Na última quarta-feira, estive no Mané Garrincha para uma partida "isolada" do Candangão de 2017. No estádio da Copa, Sobradinho e Gama se enfrentaram com objetivos bem diferentes: enquanto o Periquito busca terminar a primeira fase na liderança, o Sobradinho ainda está na briga por uma vaga entre os oito primeiros colocados, que garantem a classificação para a fase seguinte. Por tudo o que ambos vêm fazendo nesse campeonato, o Gama levava um certo favoritismo, mas o Sobradinho ia querer complicar a vida do Alviverde e buscar encaminhar sua classificação.
Marcado para as 20 horas, o jogo começou somente às 20:06, sem uma justificativa aparente para esse atraso. Mas, quando a bola rolou, tivemos um primeiro tempo bem animado. Logo aos quatro minutos, a primeira chance do Gama, com Baiano, em cobrança de falta pela esquerda. Leonardo, goleiro alvinegro, conseguiu mandar para escanteio. Aos 11, nova chance para o Gama. Após cobrança de escanteio, Glaybson chutou de fora da área. A bola foi por cima.
Tentativa do Gama.
O Leão da Serra teve sua primeira boa chance dois minutos depois. Betinho recebeu livre de marcação na entrada da pequena área, mas finalizou mal e Jorge defendeu sem problemas. Mas o atacante se redimiu aos 22 minutos: arrancou em velocidade pela direita, deixou Michel Jardim para trás e cruzou na pequena área para Kelvin, que chutou alto e estufou as redes: Sobradinho 1 a 0.
Escanteio para o Sobradinho.
Logo em seguida, o Gama teve mais uma chance: Alvinho recebeu livre na grande área, mas chutou por cima. Dois minutos depois, Lucas Victor recebeu passe de Alvinho, avançou até a linha de fundo e cruzou. A bola encontrou o próprio Alvinho, que chutou para empatar a partida: 1 a 1.
Jogador do Gama, com a bola, recebe marcação.
O Sobradinho não se intimidou com o gol sofrido. Aos 27 minutos Kelvin, de dentro da área, passou para Paulo Henrique, que vinha de trás. Ele chutou por cima, mas a bola passou perto do gol. E aos 31 minutos, o Leão da Serra passou novamente à frente. China recebeu passe de Gago, avançou, fintou dois zagueiros gamenses e acertou um chutaço de fora da área, no ângulo. Sobradinho 2 a 1.
Ataque do Gama.
O Gama ainda teve chances para empatar ainda no primeiro tempo. Logo depois do gol do Sobradinho, Alvinho recebeu cruzamento e cabeceou para fora. Aos 42 minutos, Everton arriscou de longe, para grande defesa de Leonardo. E o primeiro tempo terminou mesmo com o Sobradinho vencendo por 2 a 1.
O segundo tempo foi bem mais morno que o primeiro. Em desvantagem, o Gama atacava mais, mas levava pouco perigo. A primeira chance veio aos três minutos, em uma cobrança de falta de Baiano. A bola viajou para a área, mas Rodrigo Bronzatti não alcançou.
Aos 16 minutos, o Sobradinho, que atacava pouco, chegou com Thiago, que chutou despretensiosamente de fora da área, sem problemas para Jorge. Depois disso, o Gama criou duas boas chances com Potita, que havia entrado no intervalo. Aos 21 minutos, ele chutou de longe, e a bola passou perto do gol, animando a torcida gamense presente. Aos 25, ele passou por um adversário e tabelou com Michel Jardim, mas a defesa do Sobradinho chegou antes que ele conseguisse finalizar.
Jogador do Gama tenta sair da marcação.
O Gama atacava mais, mas não conseguia converter seus ataques em chances de gol. O Sobradinho se aproveitou disso. Aos 33 minutos, Lucas chutou da entrada da área, pela direita, e Jorge fez boa defesa. Um minuto depois, o alvinegro fechou a conta. Andrezinho recuperou a bola na defesa, avançou pela direita e passou para Betinho que, livre, avançou e chutou da entrada da área, para fazer Sobradinho 3 a 1.
Ataque do Sobradinho.
O Gama se entregou após o gol, e pouca coisa aconteceu até o final do jogo. Merece destaque apenas mais uma chance do Sobradinho, já nos acréscimos: Kelvin viu Lucas livre e fez o passe, mas ele perdeu o ângulo e finalizou mal, para defesa de Jorge, E o placar final foi mesmo de 3 a 1 para o Sobradinho.
Com a derrota, o Gama continuou um ponto atrás do líder Brasiliense na classificação, embora com uma partida a menos. O Sobradinho saltou para a sexta posição, também com um jogo a menos, e deixa bem encaminhada sua classificação. Com apenas mais uma rodada inteira por jogar, as equipes já vão confirmando suas posições na tabela, e buscam ainda melhorar um pouco sua classificação nessa reta final.
Encerrado o jogo, voltei para casa, para mais uma noite de descanso. O sempre merecido descanso.
Placar final.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Com golaço, Luziânia bate Operário-MS e avança na Copa Verde

Não pude marcar presença no jogo entre Ceilândia e Luverdense, há algumas semanas, pela Copa Verde, uma vez que a referida partida foi realizada com portões fechados (até quando?), mas, no último domingo, prestigiei mais uma partida por essa competição, com direito a time novo na lista. Fui ao estádio Serra do Lago, em Luziânia, onde se enfrentaram Luziânia e Operário de Campo Grande. Após o 1 a 1 do jogo de ida, em solo sul-matogrossense, ambas as equipes se classificariam com uma vitória simples. O empate sem gols classificaria os donos da casa, empate em um gol levaria a decisão para os pênaltis, e empate em dois ou mais gols classificaria os visitantes. O Operário, aliás, que era um "sonho de consumo" antigo, fez com que minha lista de equipes vistas in loco chegasse a 266 clubes. Assim, junto com o amigo Renato Rocha, parti para Luziânia.
Nos primeiros minutos, o Luziânia passou a impressão de que se limitaria a jogar recuado, defendendo o 0 a 0 que lhe daria a vaga. Mas, antes que o Operário conseguisse levar algum perigo, o time da casa se soltou, e dominou de forma quase absoluta o jogo. Aos 9 minutos, o time goiano teve sua primeira chance, com Thompson, que recebeu livre e perdeu um gol feito, chutando por cima do gol. Aos 19 minutos, o próprio Thompson recebeu a bola de costas para o gol, mas dominou com categoria e conseguiu virar e passar para Amaral. O lateral cruzou, mas ninguém do Luziânia chegou na bola, e a zaga mandou para escanteio.
Bola com o Operário.
Aos 22 minutos, o próprio Thompson passou para Matheus, que, de dentro da área, chutou nas mãos de Lima, perdendo mais uma chance para o Luziânia. O gol do time da casa estava maduro. E as redes acabaram balançando aos 27 minutos. E foi um golaço. Amaral cruzou para Alex Junior, que acertou uma belíssima bicicleta e fez 1 a 0 para o Luziânia.
Jogadores correm atrás da bola.
O próprio Alex Junior teve nova chance aos 33 minutos, após cruzamento de Thompson, mas acabou desperdiçando a chance. Precisando de pelo menos um gol para levar a decisão para os pênaltis, o time sul-matogrossense melhorou, e passou a criar suas primeiras chances no jogo. Aos 34 minutos, Agnaldo fez uma bela jogada, mas chutou para fora, perdendo a chance para o Operário. O Luziânia respondeu um minuto depois: Danilson cobrou falta, mas Matheus não alcançou a bola.
Operário avança: time visitante começou mal, e melhorou após sofrer gol.
Os 15 minutos finais da primeira etapa foram eletrizantes. Aos 37, Valber arriscou de longe, mas chutou mal, e a bola saiu por cima do gol, desperdiçando a chance para o Operário. Aos 39, o Luziânia respondeu, de forma mais consciente: Denilson viu Lima adiantado e tentou encobri-lo. A bola saiu por pouco. Aos 45, chance para os sul-matogrossenses: Agnaldo viu Wilson livre na esquerda e fez o passe, mas este chutou mal.
Jogador do Luziânia sai da marcação de seu adversário.
Aos 47 minutos, mais uma chance para o Luziânia. O chute de Alex Junior acertou o travessão e quicou no chão. Houve uma reclamação de que a bola teria quicado dentro do gol, mas a arbitragem entendeu que a bola não entrou. E foi o último lance do primeiro tempo, que terminou mesmo com a vantagem mínima para o time goiano.
O segundo tempo foi a antítese do primeiro, e pouquíssima coisa aconteceu. No entanto, aos 10 minutos, um lance capital. Alex Junior, autor do gol do Luziânia, fez uma falta dura. Como ele já tinha levado um cartão amarelo ao tirar a camisa para comemorar o gol, acabou expulso. A tarefa do Luziânia de segurar a vantagem certamente ficaria mais complicada.
Jogador do Operário tenta evitar cruzamento.
No entanto, os sul-matogrossenses não souberam aproveitar a vantagem numérica, e, apesar da maior posse de bola, não conseguia criar chances de gol. O time da casa, por sua vez, não parecia preocupado em aumentar a vantagem no marcador, e também pouco produzia.
Disputa de bola.
Jogador do Operário recebe marcação.
A primeira chance de perigo veio somente aos 21 minutos: em uma falha de Fábio, Thompson roubou a bola na pequena área, mas acabou finalizando para fora. Depois disso, o jogo seguiu na mesma toada, e só foi ter alguma emoção aos 45 minutos. Após cobrança de lateral, Agnaldo recebeu na pequena área e cabeceou. A bola caprichosamente acertou a trave, e impediu o Operário de levar a disputa para os pênaltis. E mais nada aconteceu. O placar final foi mesmo de 1 a 0 para o Luziânia.
Ainda o Operário com a bola.
A equipe goiana avança na Copa Verde, e terá pela frente o Rondoniense. As partidas devem ocorrer na próxima semana. Os sul-matogrossenses se despedem da competição, e voltam as atenções para o campeonato estadual, competição na qual lideram o Grupo A e terão pela frente o clássico Comerário na próxima quarta-feira.
Placar final.
Encerrada a partida, encerrado também o fim de semana. Hora de pegar a estrada e retornar ao lar.

terça-feira, 14 de março de 2017

Ceilândia derrota Paracatu em jogo da parte de cima da tabela

O sábado reservou um jogo entre dois times que brigavam na parte de cima da tabela. No Abadião, o Ceilândia recebeu o mineiro Paracatu. Antes do início dessa rodada, os mineiros ocupavam a terceira posição, com 14 pontos, um a menos que o time da casa, quarto colocado. Com duas equipes bem posicionadas na tabela, a promessa era de um grande jogo. E, assim, na hora marcada, já estava no estádio da Ceilândia para mais essa partida.
Como era de se esperar, o jogo começou equilibrado. A primeira boa chance foi do Ceilândia: aos 7 minutos, Emerson Martins cruzou para a entrada da área, Filipe Cirne chutou, mas a zaga mineira conseguiu mandar para escanteio. O Paracatu respondeu logo em seguida: em cobrança de falta, Carlos Henrique mandou a bola nas mãos de Artur.
Arrancada do Paracatu.
O Paracatu tinha um leve domínio das ações. No entanto, era o Ceilândia que criava as chances mais perigosas. Aos 16 minutos, Filipe Cirne fez uma bela jogada e lançou para Romarinho, que entrou cara a cara, mas concluiu mal, e Jordan defendeu. Aos 27, Flavio Mineiro arriscou de longe. A bola foi para fora, e os mineiros perderam uma chance de abrir a contagem.
Ceilândia com a bola.
Grande esforço do jogador do Ceilândia.
A primeira etapa acabou tendo poucas chances perigosas, e as duas equipes foram para os vestiários sem balançar as redes. Antes do início da segunda etapa, houve uma confusão, porque, durante o intervalo, o sistema de irrigação funcionou apenas no campo de defesa do Paracatu, o que irritou os dirigentes do clube mineiro, que ameaçaram não permitir o início da segunda etapa.
Escanteio para o Paracatu, ainda na primeira etapa.
De volta do intervalo, e serenados os ânimos, o Paracatu pareceu "mordido" depois da confusão, e foi para cima. Logo aos 2 minutos, Diego deixou João Lucas na cara do gol, mas o chute acertou a trave. Um minuto depois, o Ceilândia teve uma das suas raras chances no começo da segunda etapa: Dudu Lopes arriscou de longe, e a bola foi para fora. Aos seis minutos, o time mineiro acertou o travessão pela segunda vez, em um chute de Diego da entrada da área.
Jogador do Paracatu, com a bola, recebe marcação.
No entanto, após esses dois lances, o Ceilândia melhorou. Aos 13 minutos, Filipe Cirne também perdeu uma excelente chance para o time da casa. Aos 18, chance para os mineiros: Dim chutou da grande área, e Artur mandou para escanteio.
Outra disputa de bola.
Aos 25 minutos, porém, as redes enfim balançaram. Filipe Cirne cobrou escanteio, e Emerson Martins cabeceou, abrindo a conta para o Ceilândia: 1 a 0. O Paracatu, que pouco conseguira produzir após as duas bolas na trave, melhorou um pouco após o gol. Mas o ritmo do jogo acabou caindo.
O Paracatu ainda chegou duas vezes, com pouco perigo: aos 35, Cuiabano perdeu uma chance, chutando para fora. Aos 37, Humberto recebeu um cruzamento, mas cabeceou alto, para fora. E o placar final foi mesmo de 1 a 0 para o Ceilândia.
Jogador do Ceilândia passa por adversário.
Com esse resultado, o Gato Preto tomou a posição do Paracatu, e assumiu a terceira colocação, derrubando os mineiros para o quarto lugar. Na reta final dessa primeira fase, as posições vão se definindo, e agora um descuido pode ser fatal, e pode não haver mais tempo para recuperar.
Fim de jogo, hora do retorno ao lar. Jantar com a família, e depois o merecido descanso.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Formosa e Gama ficam no empate sem gols

Com atraso, devido a problemas com meu computador, somados ao feriado de Carnaval, publico mais essa matéria. No penúltimo domingo, me afastei da Capital Federal por algumas horas e tomei o rumo do estádio Diogão, em Formosa, onde se enfrentariam, em situações opostas no campeonato, Formosa e Gama. Os visitantes chegaram a esse jogo com três vitórias em três jogos, e lideravam a competição. O Formosa, que havia entrado em campo uma vez a menos, perdera suas duas primeiras partidas, e, jogando em casa, precisava dos três pontos para seguir sonhando. Jogo importante, e não pensei duas vezes para pegar a estrada rumo à cidade vizinha para ver as duas equipes em ação.
Então, vamos ao jogo. Antes mesmo da primeira volta do ponteiro, o Gama teve sua primeira chance de gol. Baiano arriscou de fora da área e a bola saiu por cima do gol, muito perto da trave. Depois disso, porém, seguiu-se um domínio da equipe goiana, que atacava mais e criava as melhores chances. Aos 5 minutos, Michel Paulista puxou o ataque pela esquerda e inverteu o jogo para Edson Pacujá, que cruzou na área, mas Diogo Capela cabeceou para fora.
Disputa pela bola.
A equipe da casa continuou criando as melhores chances. Aos 12 minutos, Edson Pacujá cruzou nas mãos do goleiro gamense Maringá. Aos 19, Diogo Capela recebeu cruzamento e desviou para o gol. Maringá desviou e a bola saiu por pouco. Logo em seguida, o próprio Diogo Capela fez uma bela jogada e deixou o defensor gamense no chão, mas não conseguiu finalizar. Aos 23, Michel Paulista avançou pela esquerda e entrou na área, mas finalizou mal.
Time da casa busca o ataque.
O Formosa continuava melhor no jogo. O Gama, quando tinha a posse de bola, parava na bem postada defesa do time goiano. No entanto, o time da casa diminuiu o ritmo no final da primeira etapa. Mesmo assim, o Gama levava pouco perigo. Aos 32 minutos, uma boa chance para o time da casa. Wesley recebeu livre após cobrança de escanteio, mas finalizou mal, e a bola saiu. Aos 37 minutos, enfim o Gama teve uma boa chance. O time do Distrito Federal teve falta perto da área, pela esquerda. Mas Baiano bateu por cima do gol.
Jogador do Formosa recebe marcação dupla.
As equipes ainda tiveram chances no final da primeira etapa. O Formosa chegou aos 42 minutos, quando Michel Paulista cruzou para Wesley, que arrematou mal. Já nos acréscimos, o Gama teve sua chance, com Roberto, que recebeu cruzamento, mas não conseguiu uma boa conclusão. E o primeiro tempo, apesar das muitas chances de gol, terminou mesmo sem bolas na rede.
Jogador do Gama com a bola.
Na segunda etapa, o Formosa chegou a ter um gol anulado aos seis minutos. Para a arbitragem, houve falta na jogada. Dois minutos depois, nova chance para o time da casa. Edson Pacujá cruzou e Pedro Felipe cabeceou por cima.
Jogador do Gama protege a bola.
Depois disso, o Gama conseguiu equilibrar as ações, e teve até mesmo algumas boas chances para marcar. Aos 16 minutos, Michel Pires passou para Dudu Gago, que perdeu o ângulo e chutou para fora, perdendo a chance de abrir o placar para os visitantes. Aos 20, nova chance para o Gama: após cobrança de falta, Gaúcho cabeceou para fora.
Mais dois momentos da segunda etapa.
A partir daí, porém, o jogo esfriou, e passou a se concentrar no meio de campo. Pouca coisa mereceu destaque. Somente nos minutos finais o Gama criou duas boas chances. aos 43, Kaká passou por um adversário e arriscou de longe, para defesa de Jeferson. Aos 45, Dudu Gago arriscou de longe e chutou para fora. E foi isso. Resultado final, Formosa 0x0 Gama.
Escanteio para o Formosa. Time tentou, mas o placar final foi mesmo 0 a 0.
O resultado foi ruim para as duas equipes. O time da casa segue em último lugar, juntamente com o Atlético Taguatinga (que não tem absolutamente nada a ver com aquele Taguatinga antigo), embora com um jogo a menos. O Gama acabou alcançado pelo Brasiliense na liderança da competição. A primeira fase vai chegando à sua metade, e os papéis de cada clube começam a se definir. Tropeçar pode custar caro.
Encerrada a partida, um longo caminho me esperava na volta ao lar. Depois, o jantar, e o merecido descanso.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Ceilândia e ABC empatam, e potiguares seguem na Copa do Brasil

A Copa do Brasil teve seu início na semana passada, mas chegou à Capital Federal somente na última quarta-feira, quando o Ceilândia, representante do DF na competição, recebeu o ABC. Antes de mais nada, convém abrir um parêntese para falar do novo regulamento da competição. Agora, na primeira fase, a decisão é em jogo único, na casa do time pior ranqueado pela CBF, e com o empate favorecendo o time visitante. Confesso que gostei da ideia do jogo único, mas fico com o pé atrás com a vantagem do empate para o time visitante (que é o melhor ranqueado). Acho que a decisão, nesses casos, deveria se dar nos pênaltis. De toda forma, a competição está aí, com sua nova regra. O duelo alvinegro valeria a passagem à próxima fase. Vale registrar que estou vendo ao vivo ambos os times pela segunda vez em 2017. Vi o Ceilândia no último fim de semana, diante do Sete de Dourados, enquanto estive presente na estreia dos potiguares na Copa do Nordeste, contra o CSA.
Equipes perfiladas para a execução do Hino Nacional.
O jogo começou concentrado no meio de campo, com as equipes atacando pouco. O ABC, que precisava apenas do empate, ousava pouco, e o Ceilândia esperava uma ocasião para surpreender. Aos 12 minutos, o ABC levou perigo pela primeira vez: Guedes lançou Nando, mas Artur chegou antes. O Ceilândia respondeu dois minutos depois. Elivelto cruzou para Allan, que cabeceou para fora.
Ceilândia (todo de branco) com a bola.
O Ceilândia ainda teve uma chance aos 25 minutos, quando Elivelto cobrou falta e a bola encontrou Luiz Carlos, que finalizou mal. Dois minutos depois, porém, o ABC abriu a contagem. Nando rolou para trás e encontrou Erivelton, que finalizou no canto, e Artur não conseguiu alcançar. ABC na frente, 1 a 0.
Jogador do Ceilândia tenta avançar.
Animado com o gol, o ABC ainda criou boas ocasiões para aumentar a vantagem. Aos 32, Geirton cobrou falta perto da área, nas mãos de Artur. Aos 36, Cleiton teve outra chance em cobrança de falta, mas chutou para fora. Depois disso, o Ceilândia tentou se lançar ao ataque, mas criava poucas ocasiões reais de gol. E o primeiro tempo terminou mesmo com o ABC na frente, por 1 a 0.
Disputa de bola, ainda no primeiro tempo.
O Ceilândia voltou para o segundo tempo com disposição para buscar a virada, uma vez que nem mesmo o empate servia. Logo no começo, Eduardo tentou um cruzamento na área, mas errou o lance. O ABC também criou algumas ocasiões: aos 11 minutos, Nando recebeu na grande área e chutou forte, mas a bola foi para fora. Aos 13, após uma boa troca de passes, Geirton ficou livre, mas finalizou mal e Artur defendeu sem problemas.
Com a bola, jogador do Ceilândia recebe marcação.
O ABC teve outra chance aos 19 minutos, quando Nando recebeu cruzamento e cabeceou nas mãos de Artur. Mas o Ceilândia conseguiu, na sequência da jogada, armar um contra-ataque, e Romarinho acabou derrubado na área. Pênalti para o Ceilândia. Elivelto cobrou bem e empatou a partida.
Pênalti bem cobrado: tudo igual no Abadião.
Animado com o gol, o Ceilândia passou a acreditar na virada, e foi ao ataque. O time da casa levava perigo especialmente nos contra-ataques. Aos 28 minutos, chance para o Ceilândia. Erê arriscou de fora da área, mas a bola foi para fora. Aos 35, Eduardo cruzou na área, mas Michel Platini não alcançou a bola, perdendo outra chance para o Gato Preto.
Jogador do Ceilândia arma o lançamento.
Mas foi aos 43 minutos que a torcida do Ceilândia ficou com o grito entalado na garganta. Kabrine cobrou uma falta pela direita, e a bola acertou o travessão. Depois disso, o Ceilândia tentou o gol na base do abafa. Mas a partida terminou mesmo empatada em 1 a 1.
Jogador do ABC com a bola.
Pela lógica simples do regulamento, o ABC avança na Copa do Brasil. O Ceilândia se despede da competição, embora saia de cabeça erguida. O time candango agora foca suas atenções no Candangão e na Copa Verde. No segundo semestre, o time ainda terá a Série D para disputar. O ano ainda é longo.
Fim de jogo, hora de jantar. E começar a pensar na próxima cobertura.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Com um a menos, Sobradinho busca empate com Paracatu

O último fim de semana foi marcado pela realização da segunda rodada do Campeonato Brasiliense de 2017. Na manhã de domingo, o Mané Garrincha recebeu a partida entre Sobradinho e Paracatu. O Leão da Serra vinha de uma boa vitória diante do Brasília, por 3 a 2, no mesmo Mané Garrincha, enquanto a equipe mineira havia estreado com um empate sem gols em casa diante do Santa Maria. Difícil arriscar um favorito para essa partida. O melhor mesmo seria ir ao estádio da Copa e ver o que ia acontecer.
O jogo começou em ritmo lento. As duas equipes arriscavam pouco nos primeiros minutos de jogo. A primeira boa ocasião veio aos 16 minutos da primeira etapa, e já resultou em gol. Magal arriscou de fora da área e a bola encontrou o caminho das redes: Paracatu 1 a 0.
Jogador do Paracatu protege a bola.
O Leão da Serra se lançou ao ataque, buscando recuperar a vantagem que havia perdido, e criou algumas boas chances para marcar. Aos 25 minutos, Betinho recebeu cruzamento e dividiu com o goleiro, que mandou para escanteio. Logo em seguida João de Deus perdeu mais uma chance para o Leão da Serra. O mesmo João de Deus criou mais duas chances: aos 28, acertou um belo voleio, mas a bola rebateu na zaga; aos 33, fez um bom passe para Helinho, mas este perdeu o controle da bola.
Jogador do Sobradinho vai para cima.
A situação do Sobradinho poderia ter se complicado aos 37 minutos, quando Helinho fez falta dura e, como já tinha cartão amarelo, foi convidado a se retirar. Mas, seis minutos depois, o Leão da Serra chegou ao empate. João de Deus recebeu cruzamento e estufou as redes. Tudo igual no Mané Garrincha.
Paracatu com a bola.
Os mineiros ainda tiveram uma chance de ir para o intervalo em vantagem. Aos 45 minutos, Diego passou para Ademir, que, mesmo sem ângulo, arriscou o chute. Leo defendeu fácil. Pouco depois, Augusto arriscou de longe, mas o chute saiu fraco. E o placar final do primeiro tempo foi mesmo de um gol para cada lado.
Jogador do Sobradinho prepara cruzamento.
O Paracatu queria a vitória, e voltou dos vestiários disposto a buscar o gol. E ele demorou apenas 10 minutos. Após cobrança de escanteio, Humberto apenas empurrou para dentro, colocando os mineiros novamente em vantagem.
Briga intensa pela bola.
Apenas dois minutos depois, o Paracatu teve outra oportunidade. Dim avançou e arriscou de longe, para defesa fácil de Leo. O Leão da Serra respondeu logo em seguida: João de Deus chutou e Jordan espalmou. No rebote, China chutou e Jordan defendeu novamente.
Escanteio para o Paracatu.
Aos 17 minutos, uma confusão paralisou o jogo por algum tempo: foi constatado que os jogadores Humberto e Breno, do Paracatu, estavam com as camisas trocadas. Tiveram que corrigir o erro e ainda foram "premiados" com um cartão amarelo. Aos 21 minutos, o Leão da Serra chegou ao empate. Kelvin cruzou e encontrou João de Deus, que desviou e deixou tudo igual novamente.
Arrancada do Paracatu, e jogador adversário corre atrás.
Aos 36 minutos, João de Deus enganou um defensor e passou para Kaio, que se atrapalhou e não conseguiu concluir a jogada. Depois disso, os minutos finais do jogo foram muito bons, com ambas as equipes buscando o gol da vitória. A melhor chance veio aos 45 minutos, quando Betinho acertou a trave e quase deu a vitória ao Sobradinho. Mas o placar final foi mesmo 2 a 2.
Jogador do Sobradinho com a bola.
A situação do Sobradinho no campeonato é melhor que a do Paracatu, e por isso o empate acabou sendo melhor para o Leão da Serra. Mas quem esteve no Mané Garrincha presenciou uma grande partida de futebol, de duas equipes que buscaram o gol até o fim. Valeu a pena ter acordado cedo para ver esse grande jogo.
Fim de jogo, hora de almoçar, e tomar o caminho de casa, para o merecido descanso.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Ceilândia vence Sete de Dourados e segue na Copa Verde

E o Campo de Terra parte para a primeira cobertura de 2017 em uma competição que está desde sempre entre as preferidas da casa: a Copa Verde. No último sábado, parti rumo ao Abadião, onde se enfrentaram, pela fase preliminar da competição, Ceilândia e Sete de Dourados. No jogo de ida, em solo sul-matogrossense, o Gato Preto conquistou um bom resultado, ao empatar em 1 a 1. Como o critério do gol fora de casa se aplica à Copa Verde, um empate sem gols garantiria o avanço do Ceilândia. Se o empate fosse em dois gols ou mais, o atual campeão sul-matogrossense avançaria. Empate em um gol levaria a decisão para os pênaltis. E, fora disso, o vencedor se classificaria. Nessa expectativa, tomei o rumo do estádio da Ceilândia para ver o que essa grande partida reservava.
Debaixo de muita chuva, o jogo começou lento, e os primeiros minutos foram de ações concentradas no meio de campo, sem que ninguém se aventurasse muito no ataque. Eram raras as chances de gol para ambos os lados. A primeira boa ocasião de gol foi para o Ceilândia: aos 19 minutos, Elivelto cobrou falta da lateral direita, obrigado Alan a espalmar, fazendo uma boa defesa.
Jogador do Ceilândia, com a bola, recebe marcação.
A partir dos 25 minutos, o Sete, que precisava da vitória para seguir na competição, começou a se arriscar um pouco mais. O time visitante tinha mais posse de bola, e tentava atacar o Ceilândia, mas criava poucas chances reais de gol. Curiosamente, quem criou as melhores chances foi o time da casa. Aos 34 minutos, Emerson acertou um bom chute, e a bola saiu pela esquerda do goleiro. Aos 42, Erê cruzou e Romarinho cabeceou, obrigando Alan a uma grande defesa. No rebote, Allan chutou e desperdiçou a chance.
Jogador do Ceilândia cercado por dois adversários.
Vários jogadores disputam a bola.
No entanto, o primeiro tempo terminou mesmo sem bolas na rede. As duas equipes foram para os vestiários sem tirar o zero do placar.
Agora, é o jogador do Sete que recebe marcação.
No segundo tempo, o Ceilândia voltou com outra cara, e passou a dominar as ações. Já aos três minutos, Erê perdeu uma grande chance, chutando de dentro da área. A bola saiu por pouco. O gol parecia já maduro. E as redes balançaram já aos cinco minutos. Allan fez um bom passe para Romarinho, que acabou chutando fraco, mas a bola passou pelo goleiro e foi mansamente em direção ao gol. Ceilândia 1 a 0.
Disputa pela bola.
O Ceilândia parecia ter o jogo sob controle, e por um bom tempo pouca coisa aconteceu. A chance de gol seguinte veio aos 19 minutos, quando Emerson arriscou de longe e obrigou Alan a uma boa defesa, mandando para escanteio. Aos 22, Allan passou por dois defensores e ficou livre, mas finalizou mal, perdendo mais uma ocasião para o Ceilândia.
Sete de Dourados tenta partir para o ataque.
O Sete teve uma boa chance aos 25 minutos. Fernando Pavão arriscou de fora da área, mas chutou nas mãos do goleiro. O Ceilândia respondeu logo em seguida, com Romarinho, que chutou cruzado, mas não conseguiu acertar o alvo. Na sequência da jogada, o Gato Preto teve escanteio a seu favor. Luiz Carlos recebeu a bola e marcou o segundo do Ceilândia: 2 a 0.
Ceilândia, que dominou o segundo tempo, tenta mais um ataque.
O Sete voltou a ter uma chance aos 30 minutos: Pablo acertou boa cabeçada após cruzamento de Felipe, para defesa de Artur. Aos 37, nova chance para os visitantes, com Artur fazendo uma boa defesa e mandando para escanteio. Na sequência, contra-ataque para o Ceilândia, mas Filipe finalizou mal, para defesa de Alan.
Mais Ceilândia no ataque.
Aos 42, o Ceilândia matou o jogo. Eduardo recebeu lançamento e entrou livre para marcar o terceiro gol do time da casa: Ceilândia 3 a 0. Depois disso, foi só esperar o tempo passar. E o placar final foi mesmo de 3 a 0 para o Ceilândia.
Placar final.
Assim, o Ceilândia representará o Distrito Federal na sequência da Copa Verde, enfrentando o Luverdense na próxima fase. O Sete de Dourados se despede e foca suas atenções no campeonato sul-matogrossense e no Brasileiro da Série D, no segundo semestre. O Gato Preto ainda terá uma tarefa dificílima durante a semana: enfrenta o ABC, novamente no Abadião, pela Copa do Brasil, e só segue na competição se vencer.
Fim de jogo, hora do jantar, e do merecido descanso. Na manhã de domingo, mais uma visita a estádio me esperava.