segunda-feira, 14 de maio de 2018

Pela Série A2 paulista, São Bernardo goleia Água Santa

Sim, essa matéria demorou muito para sair. Mais de três meses. Mas, após um longo período em que não consegui produzir, segue o relato da partida entre São Bernardo Futebol Clube e Água Santa, realizada em 3 de fevereiro último. A partida foi realizada em Santo André, já que o Estádio Primeiro de Maio, onde o Tigre normalmente manda seus jogos, não reunia condições de receber a partida. As duas equipes, já àquela altura, mostravam pretensões opostas na competição. Enquanto o São Bernardo sonhava com o acesso, o Água Santa tinha como único objetivo se manter na Série A2 do campeonato paulista.
O São Bernardo teve sua primeira chance já aos sete minutos, quando Judson arriscou de fora da área, e a bola saiu à direita do goleiro, passando perto do gol. Nesse momento, o São Bernardo já dominava completamente as ações, e jogava praticamente em seu campo de ataque, sem ser ameaçado pela equipe de Diadema. Tanto é que, apenas quatro minutos depois, o zagueiro do Água Santa pôs a mão na bola dentro da área. Pênalti para o São Bernardo. Francismar cobrou a penalidade, e abriu a contagem para os "donos da casa".
Jogador do Água Santa recebe marcação.
Em desvantagem, o Água Santa até esboçou uma reação, mas pouco perigo conseguiu levar à meta adversária. Mesmo na bola parada, o time não conseguia levar perigo. E o segundo gol do Tigre acabou vindo aos 17 minutos. Willian fez uma assistência perfeita para Matheus que, livre de marcação, tocou no contrapé de Edson. São Bernardo 2 a 0.
Disputa de bola.
O jogo seguiu na mesma toada, com o São Bernardo confortável com a vantagem e se limitando a defendê-la, enquanto o Água Santa até tentava, mas não encontrava forças para reagir, e não levava perigo. O São Bernardo ainda criou uma chance aos 29 minutos, quando Álvaro arriscou um chute cruzado, e a bola saiu pela direita de Edson. Somente aos 40 minutos o Água Santa teve uma chance de marcar. Bruno lançou Leandro no meio da zaga do São Bernardo, e este chutou com perigo, obrigando Daniel a mandar para escanteio.
Jogador do São Bernardo protege a bola.
E o primeiro tempo terminou mesmo com o placar de 2 a 0 para o Tigre. A equipe "da casa" construía a vitória com tranquilidade, sendo pouco ameaçada pela equipe de Diadema.
Logo a um minuto da segunda etapa, o São Bernardo chegou com perigo. Judson lançou Guilherme, que não conseguiu dominar, e perdeu a chance de aumentar a vantagem. Depois disso, pouca coisa relevante aconteceu nos minutos seguintes. O São Bernardo parecia confortável com o placar, e o Água Santa pouco conseguia fazer. Apenas aos 20 minutos voltou a acontecer uma chance de gol. E o São Bernardo marcou: após cobrança de escanteio de Edvan, Douglas cabeceou e marcou o terceiro do Tigre.
Alguns momentos da segunda etapa.
O São Bernardo ainda acharia tempo para marcar mais uma vez. Aos 34 minutos, Álvaro lançou Edvan, que arrancou pela direita, cruzou e encontrou Fernando Júnior, que dominou e fuzilou para marcar o quarto gol do São Bernardo. E foi isso. O jogo terminou mesmo com a vitória do Tigre por 4 a 0.
Mais alguns momentos do segundo tempo.
Favorito nesse jogo, o São Bernardo melhorou ainda mais sua situação na competição. No final da competição, o Tigre chegaria às semifinais, mas uma dupla derrota para o Oeste acabou com o sonho do acesso. O Água Santa, que há poucos anos estava na elite estadual arrancando pontos importantes dos grandes, terminou a competição na 13ª posição, escapando do descenso. Pouco para as expectativas, mas um bom resultado diante das circunstâncias.
Placar "padrão Fifa" com o resultado final do jogo.
Encerrado o jogo, voltei à Capital paulista, para jantar e descansar.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Real derrota Brasiliense na tarde de domingo

Para terminar o fim de semana de jogos, logo após o fim do jogo entre Sobradinho e Formosa, fui almoçar, e de lá tomei o rumo do Mané Garrincha, o bilionário estádio da Copa do Mundo - e que se encontra em um estado lastimável, como você pode ver nas fotos abaixo. O Brasiliense adotou o estádio do Plano Piloto como sua casa nas competições que disputará este ano, e lá recebeu o Real, para a estreia de ambos no Candangão. As duas equipes fizeram uma das quartas-de-final do ano passado, e o Brasiliense, que terminaria como campeão, levou a melhor. Agora, para as duas equipes, o objetivo era abrir a competição da melhor forma.
Uma pequena amostra do estado do "moderníssimo" Mané Garrincha.
O Real já entrou no jogo mostrando o que queria. Logo na saída, o time tentou marcar o gol do meio de campo, mas não teve sucesso. E o time visitante não demorou nem cinco minutos para abrir a contagem. Após cobrança de escanteio, Vítor Hugo, de cabeça, fez 1 a 0 Real. Três minutos depois, nova chance para o Real: Daniel recebeu um cruzamento e chutou cruzado, mas o chute saiu fraco, para fácil defesa de Bruno Fuso.
Brasiliense no ataque. Destaque para o número amarelo em uma camisa amarela.
Escanteio para o Real: foi em um lance assim que saiu o primeiro gol.
Nos minutos que se seguiram ao gol do Real, pouca coisa aconteceu. Os times criaram poucas oportunidades para marcar. E somente aos 24 minutos o Real teve uma chance para ampliar. Willian recebeu livre, mas acabou chutando por cima do gol. E, aos 33, um erro da defesa do Brasiliense quase custou caro. Kaio recuperou a bola e chutou. O chute saiu raspando a trave.
Jacaré com a bola.
Aos 35 minutos, porém, Souza cobrou bem uma falta e empatou o jogo para o Brasiliense. E, com pouca coisa acontecendo daí até o final do primeiro tempo, as duas equipes foram mesmo para os vestiários empatadas em um gol.
Jogador do real recebe marcação
Na segunda etapa, o Real dominava as ações, mas o domínio territorial não era suficiente para que o time conseguisse criar chances de gol. Aos 15 minutos, porém, foi o Brasiliense quem chegou. O Jacaré chegou a balançar as redes, após uma cobrança de falta, mas o gol foi anulado por impedimento.
Jogador do Real parte para o ataque.
Aos 28 minutos, finalmente uma boa chance de gol para o Real. Baiano acertou o travessão. Aos 35 minutos, uma bela jogada de Kaio quase resultou em gol. Ele partiu do meio de campo e driblou dois adversários, mas finalizou mal, para fora.
Na segunda etapa, a sombra já cobria quase tudo.
Jogador do Brasiliense passa por adversário.
Porém, nos acréscimos, o Real chegou à vitória. Pedrinho, de cabeça, fez 2 a 1. E esse foi mesmo o placar final do jogo.
No segundo tempo, o Real trocou o uniforme por uma camisa branca, e números... brancos. Os narradores não conseguiram narrar mais nada.
Em um jogo entre equipes consideradas favoritas ao título, o Real levou a melhor. O Brasiliense terá as próximas rodadas para se recuperar. Os dois times têm todas as condições de fazer uma boa campanha, e o campeonato está apenas começando.
Fim de jogo, e, agora sim, hora de ir para casa e descansar para a semana que viria.

Sobradinho derrota Formosa e estreia bem no Candangão

O domingo começou cedo, com mais uma partida da primeira rodada do Candangão-2018. No Augustinho Lima, o Sobradinho recebeu o Formosa. O Leão da Serra disputou as semifinais do ano passado, quando acabou eliminado pelo Brasiliense, enquanto os goianos, junto com o Paranoá, terminaram no limbo das equipes que nem se classificaram para a segunda fase, nem foram rebaixadas. O Sobradinho, que já levantou a taça em 1985 e 1986, sonha em reviver seus dias de glória, enquanto o Formosa busca dar uma alegria à sua torcida, que sempre comparece em bom número ao Diogão. E a caminhada de ambos começava na quente manhã de domingo de Sobradinho.
A primeira boa chance de gol aconteceu somente aos 17 minutos, e foi a favor do Leão da Serra. Mirandinha saiu na cara do gol, mas Pedro Ferreira conseguiu fazer a defesa. Aos 26, chance para o Formosa. Albano recuperou a bola na intermediária, avançou, mas finalizou fraco, sem grande perigo.
Jogadores disputam a bola.
Jogador do Sobradinho protege a bola.
Aos 31 minutos, o Sobradinho respondeu, com Dionatan. O jogador partiu pela esquerda, se livrou de dois adversários e chutou cruzado de fora da área, obrigando Pedro Ferreira a fazer uma grande defesa. Aos 40 minutos, o Leão da Serra perdeu um gol incrível. Geovane cruzou rasteiro para Mirandinha, que, com o gol vazio à sua frente, conseguiu chutar para fora.
Disputa pelo alto.
Jogador do Sobradinho recebe marcação.
Três minutos depois, porém, Mirandinha se redimiu do seu erro, fazendo uma bela jogada pela esquerda e passando para Geovane, que teve apenas o trabalho de tocar para o gol vazio, e abrir a contagem para o Sobradinho. Um minuto depois, o Leão da Serra perdeu uma chance com Michel Platini, que fintou um defensor e chutou de longe. A bola saiu por pouco. E nada mais aconteceu até o apito final da primeira etapa.
Jogador do Formosa com a bola.
Jogador do Sobradinho recebe marcação.
O Formosa perdeu uma chance de empatar já aos quatro minutos da etapa final. Cardoso rolou atrás para Araújo, que chutou de fora da área. A bola saiu por pouco. O Sobradinho respondeu aos nove minutos, quando Mirandinha recebeu um cruzamento, mas cabeceou muito alto. A bola foi para fora.
Disputa de bola.
Aos 12 minutos, Cardoso perdeu uma chance para o time goiano. Recebeu pela esquerda e tentou encobrir Léo, mas a bola foi para fora. Dois minutos depois, porém, o Leão da Serra ampliou. Everton arriscou de longe, e Pedro Ferreira tentou segurar, mas deu rebote. Aí, Michel Platini não teve problemas para driblá-lo e marcar o segundo gol do time da casa.
Mais disputa de bola.
Os minutos seguintes foram de pouco futebol. Com o forte calor, as duas equipes pouco conseguiam produzir. Assim, o jogo ficou concentrado no meio de campo, e com poucas chances de gol. No entanto, a equipe goiana conseguiu balançar as redes aos 40 minutos. Daniel Costa aproveitou rebote de cobrança de falta e diminuiu a diferença.
Sobradinho no ataque: time abriu vantagem, mas Formosa diminuiu.
Marcado, jogador do Formosa protege a bola.
Com a diferença de apenas um gol, a equipe goiana encontrou forças para tentar empatar o jogo, e pressionou nos minutos finais. No entanto, as redes não balançaram mais, e o placar final foi mesmo de 2 a 1 para o Sobradinho.
Sobradinho busca o ataque.
Ainda que o campeonato esteja apenas começando, a vitória em casa foi muito importante para o Leão da Serra, que começa bem a sua caminhada. O Formosa não conseguiu um bom resultado, mas mostrou poder de reação, e terá o campeonato todo pela frente para melhorar sua situação.
Fim de jogo, hora de almoçar, e me preparar para completar a minha jornada futebolística à tarde.

Na abertura do Candangão, Santa Maria e Luziânia empatam

E 2018, enfim, começou. Não sem antes vivermos a já cansativa novela da liberação dos laudos dos estádios (Ceilândia x Corumbaense, quarta-feira que vem, ainda corre sério risco de ser disputada com portões fechados). A incompetência e o descaso dos responsáveis pelos estádios não muda nunca, e todo ano é a mesma correria. Pelo menos, alguns estádios foram liberados a tempo para o início do Candangão (acredite, até o Bezerrão e o Mané Garrincha corriam riscos), e no último sábado pude ir ao Bezerrão. O Gama, ilustre dono da casa, dessa vez estava ausente, e a partida que fui acompanhar envolvia Santa Maria e Luziânia. O time goiano venceu dois dos últimos quatro campeonatos, mas na temporada passada deixou a desejar, terminando em uma modesta oitava colocação. O Santa Maria fez até mais do que se esperava, e só foi eliminado nas quartas-de-final após perder a decisão por pênaltis para o Sobradinho. Nessa nova temporada, ainda é difícil arriscar o que se pode esperar dos dois times. Ir ao Bezerrão poderia ser uma forma de começar a responder essa pergunta.
O Luziânia teve sua primeira chance aos 12 minutos. Paranaguá recuperou a bola na intermediária, e arriscou de fora da área. Clebio teve que se virar para mandar a bola para escanteio. Depois disso, o jogo seguiu em ritmo lento, concentrado no meio de campo, com as duas equipes criando poucas chances. E, nas raras vezes que as equipes chegavam, a finalização passava longe do gol, ou os goleiros defendiam sem maiores problemas.
Jogador do Santa Maria com a bola.
Jogador do Luziânia parte para cima de adversário.
O jogo ficou um pouco melhor a partir dos 30 minutos. Foi quando o Santa Maria teve um contra-ataque, mas Brendo finalizou mal, e não conseguiu balançar as redes. Três minutos depois, o time goiano abriu a contagem. Castro cruzou rasteiro, e a defesa do Santa Maria não achou a bola. Melhor para Índio, que recebeu com o gol aberto e só teve o trabalho de tocar para dentro. Luziânia 1 a 0.
Bola no alto.
Santa Maria tenta sair para o ataque.
O empate do Santa Maria não demorou. Aos 40 minutos, Rafael avançou pela esquerda e chutou cruzado, e Márcio não conseguiu fazer a defesa. Tudo igual no placar, e, depois disso, pouca coisa aconteceu até o apito final da primeira etapa. Santa Maria e Luziânia foram para os vestiários com um gol para cada lado.
Mais uma vez, jogador do Santa Maria tenta sair da marcação
O Luziânia começou a segunda etapa criando várias chances para passar novamente à frente. Já a um minuto, China partiu pela esquerda e chutou fraco. Mesmo assim, o chute levou perigo para Clebio, que mandou para escanteio. Logo em seguida, Paranaguá avançou pelo meio e, mesmo com Índio e China livres, preferiu arriscar o chute. A bola saiu por cima. Aos 3 minutos, Moisés avançou pela esquerda e chutou cruzado. A bola saiu tirando tinta da trave.
Ataque do Luziânia.
Aos seis minutos, Clayton perdeu mais uma chance para o Luziânia, chegando pela direita e dando um chute que obrigou Clebio a uma difícil defesa. O jogo transcorria com o domínio da equipe goiana, que criava várias boas chances para marcar. O Santa Maria ficava esperando uma chance para atacar, e de vez em quando conseguia levar algum perigo.
Árbitro mandou seguir.
Depois dos 20 minutos, o Luziânia diminuiu o ritmo, e o jogo ficou mais equilibrado. O Santa Maria se aproveitou disso, e buscou a virada, que veio aos 37 minutos. Após uma falha da defesa do Luziânia, o zagueiro da equipe goiana teve que fazer a penalidade máxima. Marcelo Passos cobrou bem e colocou o time da casa em vantagem.
Santa Maria com a bola.
Com a bola, jogador do Luziânia recebe marcação.
O Santa Maria parecia ansioso com a iminente vitória, e cometia seguidos erros. E o Luziânia se aproveitou. Aos 46 minutos, Paranaguá recebeu um cruzamento e cabeceou por cima do gol, perdendo uma grande chance para empatar. Mas, um minuto depois, veio o gol que reestabeleceu a igualdade no marcador. Gilmar avançou pela direita, driblou Marcelo Passos e cruzou para China, que ficou livre para tocar para o gol vazio. O placar de 2 a 2 permaneceu até o apito final.
Mais uma disputa de bola.
O resultado acabou sendo decepcionante para o Santa Maria e comemorado pelo Luziânia, dadas as circunstâncias. Mas a primeira rodada ainda não permite fazer prognósticos precisos. A competição está apenas começando, e ambas as equipes ainda têm muito tempo para buscar os resultados. De toda forma, está aberto o Candangão de 2018.
Fim de jogo, tomei o caminho de casa. Como sempre, para o merecido descanso.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Balanço de 2017

É chegada a hora do meu tradicional balanço de final de ano. Tendo em vista que não devo voltar aos estádios este ano, faço neste momento um levantamento de quantas partidas vi em 2017 e outros dados pertinentes. Vale ressaltar que este balanço diz respeito somente aos jogos profissionais. Sendo assim, inicio com a tabela do número de jogos que vi em 2017, e do número de gols. Vi uma partida a menos do que em 2016, mas as redes balançaram em 12 ocasiões a mais.
AnoJogosGolsMédia
2017571552,72
Assim como aconteceu em 2016, Brasília não foi a cidade onde vi mais jogos. Essa "honra" coube a São Paulo. Os motivos são os mesmos de 2016 - e parece que se repetirão em 2018. Grande parte dos estádios interditados, calendário de jogos escassos para os times candangos, et cetera, et cetera, et cetera. Desde a vitória do América de Natal sobre o Ceilândia, ainda em julho, não vi nenhum jogo profissional em Brasília. Sem mais delongas, vamos à tabela de jogos por cidade.
CidadeJogos%Gols%Média
São Paulo2136,845636,132,67
Brasília1831,585233,552,89
Goiânia35,2663,872,00
Luziânia35,2653,231,67
Anápolis23,5163,873,00
Turim23,5185,164,00
Americana11,7531,943,00
Cardiff11,7553,235,00
Formosa11,7500,000,00
Guarulhos11,7521,292,00
Maceió11,7531,943,00
Osasco11,7521,292,00
São Bernardo do Campo11,7553,235,00
São Caetano do Sul11,7521,292,00
Agora, o número de jogos por estádio.
EstádioCidadeJogos%Gols%Média
Allianz ParqueSão Paulo1322,813623,232,77
AbadiãoBrasília915,791912,262,11
Mané GarrinchaBrasília712,282717,423,86
PacaembuSão Paulo35,26106,453,33
Comendador SouzaSão Paulo35,2685,162,67
Serra do LagoLuziânia35,2653,231,67
Allianz Juventus StadiumTurim23,5185,164,00
Jonas DuarteAnápolis23,5163,873,00
Olímpico P. LudovicoGoiânia23,5153,232,50
ChapadinhaBrasília11,7553,235,00
Millennium StadiumCardiff11,7553,235,00
Primeiro de MaioSão Bernardo do Campo11,7553,235,00
Décio VittaAmericana11,7531,943,00
Rei PeléMaceió11,7531,943,00
Anacleto CampanellaSão Caetano do Sul11,7521,292,00
Antônio S. de OliveiraGuarulhos11,7521,292,00
José LiberattiOsasco11,7521,292,00
BezerrãoBrasília11,7510,651,00
CanindéSão Paulo11,7510,651,00
Rua JavariSão Paulo11,7510,651,00
Serra DouradaGoiânia11,7510,651,00
DiogãoFormosa11,7500,000,00
São os seguintes os estádios que eu "matei" em 2017, ou seja, onde vi jogo pela primeira vez.
EstádioCidadePrimeiro jogo
Rei PeléMaceió25/01/2017
Antônio S. de OliveiraGuarulhos08/04/2017
Anacleto CampanellaSão Caetano do Sul09/04/2017
Millennium StadiumCardiff03/06/2017
Primeiro de MaioSão Bernardo do Campo15/07/2017
José LiberattiOsasco30/07/2017
Décio VittaAmericana05/08/2017
Olímpico P. LudovicoGoiânia12/08/2017
Contabilizando:
Estádios onde vi jogos em 201722
Estádios onde vi jogos pela 1ª vez em 20178
Estádios onde já vi jogos68
Agora, vamos para a lista mais esperada do final do ano: a lista de times que eu "matei", que eu vi ao vivo pela primeira vez em 2017. Mais uma vez, temos grandes novidades para a lista em questão. São elas:
TimeEst1º Jogo
1CSAAL25/01/2017
2KénitraMAR28/01/2017
3BarretosSP29/01/2017
4Jorge WilstermannBOL15/03/2017
5OperárioMS19/03/2017
6G NovorizontinoSP07/04/2017
7São CarlosSP08/04/2017
8GuarulhosSP08/04/2017
9EC São BernardoSP08/04/2017
10Atlético TucumánARG24/05/2017
11Real MadridESP03/06/2017
12OsascoSP02/07/2017
13MetropolitanoSC15/07/2017
14Inter de LimeiraSP05/08/2017
15SpalITA25/10/2017
16BeneventoITA05/11/2017
Contabilizando:
Clubes que vi ao vivo em 2017:63
Clubes que vi ao vivo pela 1ª vez em 2017:16
Clubes que já vi ao vivo:277
- Brasileiros:242
- Estrangeiros:35
Não vi nenhum jogo envolvendo seleções em 2017, de modo que o número total de seleções vistas in loco na vida permanece estagnado em 21.
Segue a lista completa dos clubes que vi ao vivo este ano:
TimeEstJ
1PalmeirasSP16
2CeilândiaDF10
3LuziâniaGO5
4BrasíliaDF5
5GamaDF3
6BrasilienseDF3
7JuventusITA3
8BarretosSP2
9SobradinhoDF2
10ParacatuMG2
11ABCRN2
12Ponte PretaSP2
13RealDF2
14SantosSP2
15AudaxSP2
16NacionalSP2
17Rio BrancoSP2
18AnápolisGO2
19ParanoáDF2
20AtléticoGO2
21Jorge WilstermannBOL1
22CSAAL1
23OperárioMS1
24KénitraMAR1
25G NovorizontinoSP1
26BotafogoSP1
27São CarlosSP1
28GuarulhosSP1
29EC São BernardoSP1
30JuventusSP1
31Rio ClaroSP1
32São CaetanoSP1
33PeñarolURY1
34PortuguesaSP1
35Santa MariaDF1
36Atlético TucumánARG1
37UniãoMT1
38BosqueGO1
39Real MadridESP1
40SinopMT1
41GrêmioRS1
42BarcelonaSP1
43OsascoSP1
44BrazlândiaDF1
45LegiãoDF1
46São Bernardo FCSP1
47MetropolitanoSC1
48VitóriaBA1
49AnapolinaGO1
50Grêmio AnápolisGO1
51AméricaRN1
52AvaíSC1
53Taboão da SerraSP1
54Inter de LimeiraSP1
55AtléticoPR1
56Sete de SetembroMS1
57CoritibaPR1
58ChapecoenseSC1
59São PauloSP1
60SpalITA1
61BeneventoITA1
62Vila NovaGO1
63LondrinaPR1
Número de jogos por dia da semana:
Dia da semanaJogos%
Domingo2136,84
Segunda-feira00,00
Terça-feira00,00
Quarta-feira915,79
Quinta-feira11,75
Sexta-feira11,75
Sábado2543,86
Número de jogos por mês
MêsJogos%
Janeiro47,02
Fevereiro814,04
Março814,04
Abril1221,05
Maio35,26
Junho35,26
Julho915,79
Agosto58,77
Setembro11,75
Outubro23,51
Novembro23,51
Dezembro00,00
Frequência de placar:
PlacarOcorrências%
1 x 01628,07
1 x 1610,53
3 x 058,77
2 x 058,77
3 x 158,77
2 x 147,02
4 x 135,26
2 x 235,26
3 x 235,26
5 x 023,51
0 x 023,51
4 x 223,51
5 x 111,75
Total de gols por jogo:
GolsSoma%
023,51
11628,07
21119,30
3915,79
4814,04
5814,04
635,26
Diferença de gols:
GolsDiferença%
01119,30
12340,35
21221,05
3814,04
411,75
523,51
São os seguintes confrontos que eu vi por mais de uma vez:
'
Time 1Time 2JV1EV2G1G2
Anápolis - GOCeilândia - DF210121
Palmeiras - SPPonte Preta - SP211021
Concluo, assim, o meu balanço de 2017, esperando por um 2018 ainda melhor (sempre que os responsáveis pelos estádios de Brasília façam seu papel). Um grande abraço a todos, e até 2018.

domingo, 3 de dezembro de 2017

Retrospectiva 2017

Neste ano de 2017, que vai chegando ao seu fim, assisti a 60 jogos no estádio (57 profissionais e 3 da base). Desses, 31 tiveram cobertura no Campo de Terra - menos do que eu gostaria, já que, em grande parte do ano, os jogos se tornaram mais escassos, mas tenho consciência de que sempre busquei fazer o meu melhor. Escolher 10 desses jogos para fazer essa retrospectiva não foi uma tarefa fácil. É complicado ver a matéria que fiz de algum jogo e pensar que esse jogo não merecia estar na retrospectiva. É claro que todos mereceriam, mas eu optei por escolher 10 partidas que, por alguma razão, me marcaram mais. E segue abaixo o relato dessas 10 partidas.
1
06/01/2017 - Estádio José Liberatti (Osasco)
O ano já começou com uma zebra genial. Fluminense e Interporto se enfrentaram, e ninguém no estádio duvidava que o tricolor carioca sairia vencedor. Mas a equipe de Porto Nacional jogou com muita vontade, e se aproveitou da bola parada para derrotar o Fluminense. Os tocantinenses chegaram a abrir 2 a 0, os cariocas diminuíram de pênalti, e o placar ficou nisso.

2
25/01/2017 - Estádio Rei Pelé (Maceió)
No meu primeiro jogo profissional de 2017, coloquei na minha lista o CSA, único clube das Séries A, B e C que eu nunca tinha visto ao vivo, e ainda vi minha primeira partida no Rei Pelé e também pelo Nordestão. O CSA marcou duas vezes no final do primeiro tempo. Na segunda etapa, segurou o ímpeto dos potiguares e ainda encontrou forças para balançar as redes mais uma vez.

3
28/01/2017 - Estádio Pacaembu (São Paulo)
Um jogo desses não tinha como perder. A chance de ver ao vivo o sensacional Kénitra tinha que ser aproveitada, e, de quebra, aproveitei para prestigiar o grande Santos, então vice-campeão brasileiro. O Peixe venceu até com certa tranquilidade. Após virar o primeiro tempo vencendo por 2 a 0, o time marcou o terceiro na segunda etapa. Depois, relaxou e o Kénitra marcou seu gol de honra. Mas o Peixe ainda anotou mais dois, com direito a golaço de bicicleta.

4
01/04/2017 - Estádio Abadião (Brasília)
O confronto entre Ceilândia e Paranoá era aguardado com grande expectativa durante os anos 2000, e havia até mesmo uma certa rivalidade entre essas duas equipes. Mas o tempo passou, e a Cobra Sucuri caiu de produção, passando vários anos na Segundona candanga, enquanto o Gato Preto levantou duas taças do Candangão, e a rivalidade esfriou. Em 2017, porém, o Paranoá voltou à elite, e as duas equipes voltaram a se enfrentar depois de quase dez anos. Melhor para o Ceilândia, que venceu por 3 a 0 uma partida em que o placar não reflete o equilíbrio que houve entre as duas equipes.

5
08/04/2017 - Estádio Antônio S. de Oliveira (Guarulhos)
Em um único fim de semana que passei em São Paulo, vi cinco partidas na Capital e na região metropolitana e fiz quatro coberturas. Escolhi como "representante" desse fim de semana um confronto que eu já deveria ter visto em 2016, mas ficou para 2017. Melhor para o Bernô, que, com um gol em cada tempo, conseguiu uma importante vitória fora de casa em sua estreia na Segundona paulista.

6
22/04/2017 - Estádio Nicolau Alayon (São Paulo)
Dentro de campo, o jogo entre Nacional e Rio Branco foi de poucas emoções. Mas eu considero essa partida marcante, pois voltei a ver a equipe de Americana ao vivo depois de 24 anos. Ainda em 2017, alguns meses depois, estive em Americana para ver outro jogo da equipe, contra a Inter de Limeira, dessa vez sem cobertura.

7
02/07/2017 - Estádio Nicolau Alayon (São Paulo)
Novamente fui ao Nicolau Alayon para ver a bola rolar, e dessa vez vi um grande jogo entre Barcelona da Capela do Socorro e Osasco. O primeiro gol dos visitantes demorou apenas dois minutos, e veio em cobrança de pênalti. O Elefante surpreendeu e virou no segundo tempo, em apenas dez minutos. Mas o Barcelona relaxou com a vantagem e o Osasco, que fazia melhor campanha, acabou virando.

8
15/07/2017 - Estádio Primeiro de Maio (São Bernardo do Campo)
Provavelmente o jogo mais emocionante que vi em 2017. Com a vantagem por 2 a 1, o São Bernardo estava avançando na Série D. Mas os catarinenses empataram nos acréscimos. Parecia que a vaga estava decidida, mas a equipe da casa, logo em seguida, teve um pênalti a seu favor. Após a confusão, Vinícius Kiss cobrou bem a penalidade e colocou o Tigre na fase seguinte.

9
12/08/2017 - Estádio Olímpico Pedro Ludovico (Goiânia)
Foi a oportunidade de conhecer mais um estádio de Goiânia, o totalmente reconstruído Olímpico Pedro Ludovico. O Atlético conseguiu uma importante vitória diante do Coritiba, pela contagem mínima.

10
09/09/2017 - Estádio do Cruzeiro (Brasília)
O Real havia conquistado uma importante vantagem no jogo de ida, ao vencer por 4 a 0, e parecia que a segunda partida da final do Candangão sub-20 seria uma mera formalidade. Mas o Carcará não queria se entregar tão fácil, e chegou a sair na frente. Mas o Real acabaria virando e ratificando a conquista. Ambas as equipes estarão na Taça São Paulo de 2018.